Irashaimasse... Este espaço é "irmão" da comunidade Movimento Dekassegui no Japão. Chamei-a assim porque há muitos dekasseguis (pessoas que saem de sua terra natal para trabalhar temporariamente em outro lugar) e eu faço parte desta comunidade de filhos e netos de japoneses que migraram para o Brasil. Domo arigato gozaimasu. zanguio.com.br

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Prefeitura de Kani lança serviço inédito para brasileiros

A Prefeitura de Kani (Gifu) acaba de lançar um novo serviço para auxiliar a comunidade estrangeira em caso de emergências e desastres naturais, como terremoto e tufão. Há um mês, o município passou a disponibilizar informações em português e inglês pelo e-mail do celular. De acordo com Fumihiko Endou, responsável pela divisão de planejamento comunitário de Kani, o serviço é inédito em todo o Japão.
Para ter acesso as informações é necessário que o usuário faça o cadastro por meio do celular no site (http://www.anshin-bousai.net/kani-p/) ou diretamente pelo barcode (figura abaixo). Todas as instruções estão em português. "No momento, recebemos 77 pedidos de inscrição do serviço em português e sete em inglês. Desde que o serviço foi lançado há cerca de um mês temos recebido uma média de dez inscrições por semana de pessoas interessadas no informativo português", diz o funcionário.
Segundo Endou, o serviço foi criado com o intuito de orientar os estrangeiros em caso de uma emergência que venha ocorrer na cidade. Ele explica que a população japonesa convive com esse tipo de situação há mais tempo e por isso saberia quais atitudes tomar em um momento de pânico. "No caso dos brasileiros, que são em maior quantidade em Kani, percebemos que além da maioria não entender a língua japonesa, poucos tem mostrado interesse em saber de que forma agir e o local que devem se abrigar após um grande terremoto. Com esse serviço pretendemos conscientizar as pessoas sobre a importância do assunto".
As mensagens serão enviadas diretamente da prefeitura para os aparelhos cadastrados no sistema. As informações não serão constantes, "isso poderia gerar um pânico desnecessário nas pessoas", diz Endou. "Apenas em casos de emergência e avisos importantes estaremos enviando a mensagem. E mesmo quando ocorrer um forte terremoto ou tufão, caso os meios de comunicação estiverem bloqueados, esse serviço continuará funcionando normalmente", acrescenta. De acordo com o funcionário, o serviço está disponível para o país inteiro, mas as informações enviadas serão referentes apenas ao município de Kani.
Em agosto do ano passado, a prefeitura de Kani começou a enviar informações sobre avisos de terremoto e tufão em japonês para o celular das pessoas cadastradas no sistema. Segundo Endou, "desde o início a prefeitura tinha interesse de disponibilizar essas notícias em outros idiomas, principalmente em português, já que a cidade abriga o maior número de brasileiros em toda província", declarou.
Atualmente, vivem em Kani cerca de sete mil estrangeiros e os brasileiros representam 70% dessa parcela da população. Para saber o nível de aceitação do serviço entre os estrangeiros, a prefeitura enviou uma enquete para mais de três mil residências de 25 nacionalidades diferentes que estão cadastradas no órgão municipal. "Infelizmente, o retorno foi abaixo do esperado. Em pesquisas feitas anteriormente com famílias japonesas, recebemos até 50% das enquetes enviadas. Nessa pesquisa tivemos um retorno de apenas 5,8%", afirma Endou.
O resultado da pesquisa revelou que 57% dos entrevistados gostariam de obter mais informações sobre cuidados com o terremoto. E assim como os japoneses, os estrangeiros que vivem no Japão também costumam utilizar o e-mail do celular para trocar e receber mensagens. Cerca de 66% das pessoas afirmaram que acessam o e-mail do celular, tanto quanto o correio eletrônico usado no computador. "As perguntas da pesquisa foram direcionadas para sabermos quais as principais dificuldades das pessoas que vivem em Kani e se as mensagens de emergência que a prefeitura enviasse seriam acessadas pelo celular. A partir desse resultado decidimos fornecer o serviço em inglês e português", explica Endou.
Postar um comentário