Irashaimasse... Este espaço é "irmão" da comunidade Movimento Dekassegui no Japão. Chamei-a assim porque há muitos dekasseguis (pessoas que saem de sua terra natal para trabalhar temporariamente em outro lugar) e eu faço parte desta comunidade de filhos e netos de japoneses que migraram para o Brasil. Domo arigato gozaimasu. zanguio.com.br

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Haru e Natsu na Band



Creio que os nikkeis que têm relacionamento mais íntimo com os dekasseguis ou que ainda têm Batian e Ditian ouviram falar da novela Haru e Natsu, produzida pela NHK. De Hashida Sugako, conhecida por aqui (na comunidade nikkei) pela novela "Oshin", foi transmitida por aqui no programa Imagens do Japão nos anos 1980.
Minha expectativa com Haru e Natsu é grande. Duas pessoas já me ofereceram para emprestar o Dvix e as inúmeras gravações me chamaram atenção. Pois agora não tenho mais a desculpa da falta de legenda para acompanhar esta história de duas irmãs que foram separadas pela migração e que usaram correspondência como forma de extravasar os sentimentos e tentativa de reduzir a distância. A história me lembra muito minha Batian que manteve (com sucesso) contato com uma prima por toda a sua vida brasileira - ela veio ao Brasil com 14 anos e faleceu aos 84 - e através de suas cartas e fotos podemos reunir a história de gerações dos descendentes das famílias Sudô (como se grafou no Brasil) e Sutou (como se grafa romanizado lá).
O Alexandre Sakai aproveitou o ensejo e fez um texto em homenagem a Haru, Natsu e Rosa Miyake, vale a pena conferir e relembrar.
(foi no blog dele, Armazén 14, que vi este trailler do youtube. Arigatô)

Band exibe superprodução da NHK e inicia comemorações do Centenário da Imigração Japonesa

A minissérie gravada em alta definição conta a história de duas irmãs separadas na infância. Saga é exemplo de drama real vivido por muitas famílias no inicio da imigração japonesa.

No ano do centenário da Imigração Japonesa a Band exibe Haru e Natsu - As cartas que não chegaram, uma superprodução da NHK, maior emissora de tv do Japão. A minissérie gravada em alta definição (HD) no Brasil e no Japão conta a história de duas irmãs separadas na infância por uma fatalidade: no porto de Kobe, no momento do embarque para o Brasil, um exame médico revela que Natsu está com tracoma ocular, o que a impede de viajar. Assim, a família Takakura, que foge da fome na província de Hokkaido, é obrigada a embarcar sem a filha caçula. Mesmo contrariada, Haru, a mais velha, segue com os pais rumo a um país desconhecido, e as duas irmãs se despedem às lágrimas, com a promessa de se reencontrarem. O ano é 1934 e marca o início de um drama que só teria um desfecho quase sete décadas depois.

Grande parte das cenas gravadas no Brasil tiveram como cenário uma fazenda de Campinas, no interior do Estado. A minissérie mostra as dificuldades que os primeiros imigrantes japoneses enfrentaram ao desembarcar em terras brasileiras. Todos vinham movidos pelo sonho de ganhar dinheiro e voltar alguns anos mais tarde para a terra natal com boa situação financeira, já que as lavouras de café pereciam promissoras.
Mas, ao chegar ao Brasil, a realidade era completamente diferente. A colheita era escassa, as despesas maiores que a renda, as moradias precárias e havia o preconceito em razão das diferenças culturais.

"A imigração japonesa produziu muitas histórias dramáticas e emocionantes como a retratada na minissérie. Haru e Natsu é especial porque pela primeira vez na tevê aberta o público poderá conhecer de perto a saga dessas famílias. Com a exibição dessa produção, a Band celebra a importante parceria iniciada há cem anos entre os dois países", afirma Elisabetta Zenatti, diretora de programação e artístico da Band.

Haru e Natsu reproduz o drama vivido por muitas famílias separadas pela imigração: Haru Takakura, a irmã mais velha, cumpre o destino de milhares de japoneses que vieram ao Brasil em busca de uma vida melhor. Trabalha em plantações de café e se habitua ao cotidiano das colônias. Mas apesar das privações no país distante de sua terra natal, se mantém rodeada pela família.
Enquanto isso no Japão, a solitária Natsu enfrenta as privações da guerra, presencia a reconstrução de seu país e vive a fase de crescimento econômico, se transformando em empresária de sucesso. Houve uma tentativa de contato. Por vários anos as irmãs escrevem cartas que nunca chegaram ao seu destino final, selando de vez a separação. Setenta anos depois, Haru finalmente consegue dinheiro para voltar ao Japão e tenta uma difícil reaproximação com sua irmã.

"O romance mostra o contraste entre uma mulher dentro de uma grande família e uma mulher solitária. Eu achei que escrevendo sobre o longínquo Brasil, poderíamos ter uma visão melhor do Japão", afirma a autora da minissérie, Sugato Hashida, de 80 anos e uma das mais renomadas roteiristas de teledramaturgia do Japão.

  • HARU E NATSU ESTRÉIA DIA 25/02, ÀS 22h, NA TELA DA BAND. A minissérie será exibida em oito capítulos.

Sobre NHK
Com 83 anos de existência, a NHK (Japan Broadcasting Corporation) é uma das mais antigas emissoras orientais é também a maior televisão japonesa. Líder em novas tecnologias, transmite 80% de sua programação em alta definição (HDTV system). A NHK tem desenvolvido pesquisas avançadas como a Super Hi-Vision, um sistema de ultradefinição com resolução 16 vezes melhor que o sistema HDTV.
Postar um comentário