Irashaimasse... Este espaço é "irmão" da comunidade do orkut Movimento Dekassegui no Japão. Chamei-a assim porque há muitos dekasseguis (pessoas que saem de sua terra natal para trabalhar temporariamente em outro lugar) e eu faço parte desta comunidade de filhos e netos de japoneses que migraram para o Brasil. Domo arigato gozaimasu.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Minhas imagens do Japão e Balanço são lançamentos de livros infantis

A Cosac Naify tem também dois lançamentos infantis que retratam a cultura japonesa:

Minhas imagens do Japão

No ano das comemorações do centenário da imigração japonesa no Brasil, Minhas imagens do Japão é um guia ilustrado do dia-a-dia de uma criança que vive do outro lado do mundo. Quem nos leva por esta viagem é Yumi, uma simpática garotinha de sete anos que mora nos arredores de Tóquio. Em sua casa, a anfitriã nos mostra seu quarto, a cozinha e as delícias que a mãe prepara, o banheiro e sua forma diferente de tomar banho. Depois conhecemos a rotina na escola, onde os alunos ajudam a colocar a mesa para o almoço, limpam a classe, o pátio e os corredores. E, na cidade, há ainda os banhos públicos, os centros comerciais e as grandes lojas. Por fim, Yumi revela tudo sobre datas comemorativas, como a festa dos meninos, a festa das crianças, o tanabata e o undokai. As ilustrações, em cores vivas, lembram um álbum, com detalhes dos pratos, vestimentas, acessórios e materiais escolares. Duas páginas são reservadas às diferentes formas de escrita e trazem alguns exemplos de kanji (ideogramas que representam palavras), além de um quadro com o alfabeto em hiragana (ideogramas que representam sílabas). Yumi ensina ainda a fazer em origami um chapéu de samurai, um vestido de boneca, guirlandas e um lampião. Boa maneira de familiarizar as crianças com a diversidade, um livro leve, que diverte, instrui e instiga a viajar pelo mundo, sem sair de casa.

Serviço:

  • Minhas imagens do Japão
  • Etsuko Watanabe (texto e ilustrações)
  • Tradução: Cássia Silveira
  • Quarta-capa: Jo Takahashi
  • Capa dura
  • 40 páginas; Ilustrado ilustrações;
  • 21,5 x 22,5 cm; 0,2 kg;
  • ISBN 978-85-7503-683-9
  • Publicação: 2008
E o livro bilíngue, que tem patrocínio do Instituto Tomie Otake.

Balanço

Brincando em um balanço no parque, um garoto observa o anoitecer e declama uma leve poesia sobre a noite que se aproxima. "Como um pêndulo azul azul", acompanhamos o assobio da brisa, o mergulho nas nuvens, as estrelas solitárias, o perfume do vento, as pegadas deixadas no céu. A edição bilíngüe (português e japonês) vem com um projeto gráfico diferenciado: tecido na capa, clichê no miolo, papel especial. O poema sobre a contemplação do tempo, na mais delicada linguagem oriental, tem leitura vertical. A disposição e a perspectiva aérea das ilustrações contribuem para a sensação de o leitor mover-se junto com o garoto sobre o balanço. Uma viagem pelo infinito, pra lá e pra cá...

Serviço:
  • Balanço
  • Keiko Maeo
  • Tradução: Diogo Kaupatez
  • Edição bilíngue português/japonês
  • Capa dura em tecido
  • 40 páginas; 20 ilustrações;
  • 16,5 x 25,5 cm; 0,32 kg;
  • ISBN 978-85-7503-660-0
  • Publicação: nov. 2007
No site da Editora há uma entrevista com a autora Keiko Maeo, concedida à Giovana Pastore e Lívia Deorsola, com tradução de Dirce Miyamura.
"Balançar-se sempre foi, para Keiko Maeo, brincadeira infantil preferida, guardada em sua memória afetiva. Tanto que deu origem a Balanço, livro publicado no Japão em 2001 que recria de maneira sensorial o movimento pendular, numa alusão à passagem do tempo.
A experiência proposta pelo livro - o primeiro da escritora e artista plástica japonesa a ser publicado no Brasil, em edição bilíngüe português-japonês -, foi possível a partir do projeto gráfico altamente elaborado, cuja perspectiva das ilustrações leva o leitor a mover-se junto com o personagem.
Keiko revela, na entrevista a seguir, detalhes do processo de criação do texto poético e das técnicas de ilustração, e comenta a relação que estabelece com a efemeridade do tempo e toda sua expressão em azul. "Penso na criação dos livros envolvendo um ritmo repetitivo", diz a autora.