Irashaimasse... Este espaço é "irmão" da comunidade Movimento Dekassegui no Japão. Chamei-a assim porque há muitos dekasseguis (pessoas que saem de sua terra natal para trabalhar temporariamente em outro lugar) e eu faço parte desta comunidade de filhos e netos de japoneses que migraram para o Brasil. Domo arigato gozaimasu. zanguio.com.br

segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Brasileiros farão Pedagogia no Japão

Através de convênio entre a instituição, o MEC e o Banco do Brasil, professores daqui que vivem no país poderão fazer faculdade e ensinar a outros conterrâneos

do Diário de Cuiabá

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) vai formar professores no Japão. Em parceria com o Ministério da Educação, Banco do Brasil e uma universidade japonesa, a UFMT está abrindo 300 vagas para o curso de Pedagogia (com licenciatura plena), para graduar brasileiros que já lecionam para outros brasileiros naquele país.

Com duração de quatro anos, a exemplo da modalidade oferecida no Brasil, o curso será oferecido à distância em três campi da faculdade japonesa: Tóquio, Nagoia e Gunna. Os alunos estudarão pelo sistema modular, terão aulas presenciais, pela internet e pelos menos três seminários com professor brasileiro a cada semestre.

Nessas regiões, explicou o reitor Paulo Speller, há mais dekasseguis, brasileiros filhos de migrantes japoneses. O MEC investirá R$ 2,5 milhões no projeto nos próximos cinco anos, e igual quantia foi disponibilizada pelo Banco do Brasil.

Os recursos servirão para adaptar o material didático à realidade japonesa e para permitir que, a cada 45 dias, um professor da UFMT visite o Japão para fazer um trabalho intensivo com os alunos no início de cada módulo do curso.

Dependendo do suporte financeiro que o projeto angariar, o treinamento será ampliado em número de alunos, contará com especialização em disciplinas específicas, como Biologia, História e Física, e também será oferecido a professores japoneses que têm alunos brasileiros.

Paulo Speller e o secretário de ensino à distância do Ministério da Educação (MEC), Carlos Eduardo Bielchowsky, estiveram em Tóquio semanas atrás para tratar do assunto.

De acordo com levantamento feito, cerca de 600 brasileiros lecionam no Japão. O esforço deles é reconhecido pela UFMT e o MEC, a maioria não tem formação para o magistério e outros ministram aulas em disciplinas nas quais não tiveram formação para docência. No Japão, entretanto, existe uma associação que reúne escolas brasileiras.

O reitor disse que a UFMT foi convidada pelo MEC para formar os professores. “Somos pioneiro em educação à distância”, observou Paulo Speller, acrescentando que a previsão é que o curso seja aberto nos três pólos no segundo semestre de 2008.

CENTENÁRIO – Em 2008, será comemorado o centenário da imigração japonesa ao Brasil. A instalação do curso de nível superior para brasileiros que vivem no Japão fará parte da programação que celebra a data.

De acordo com dados da embaixada brasileira no Japão, 320 mil dekasseguis vivem e trabalham em cidades japonesas.
Postar um comentário